AnetteApecBarbosa

 

om tat sat tam pam



Textos


XX
Tema: Planeta
da Inconsciência
 
 A
 
          Entrei  em casa, e não enconrei nenhum de meus amigos.
-        Com certeza,  eles já foram dormir –  pensei
         Atravessei a ante sala e a sala em direção à escada, e a subi em silencio.  Passei pelo corredor, entrei no meu quarto e segui direto ao banheiro... Tomei um  banho, vesti um pijama e voltei ao quarto, onde caí na espaçosa cama feito pedra ...  E, adormeci...  Nem sei se sonhei ou não!...  Só sei que no dia seguinte, acordei tarde, novinha em folha...
        Ao abrir a cortina, vi que o tempo mudara...  Chovia torrencialmente...
-      Mas que pena! –  concluí desolada, temendo que o clima ruim atrapalhasse  o meu encontro  com  Asha, à noite ... 
        Nisso, uma gotinha de água atravessou a fresta da janela  e molhou o meu
 
 
                                                                                              94
braço.  Ia enxugá-la, quando a vi tomar a forma de um corpinho radiante.
          E lá estava ELE – o pequeno das estrelas à minha frente!
          Agradavelmente surpresa, trocamos rapidamente olhar um com outro; e com  muita alegria, ele disse:
-        PAX!
         E com a mesma alegria, saltou na enorme cama, e passou a pular, rir e a cantar nela:                              
                                                 
                                             BOM DIA SENHORA
                                                     BOM DIA SENHORA
                                                     BOM DIA, BOM DIA  SENHORA  
                                                                                                                   
        Contagiada pela eletrizante cena, o imitei...
        No entanto, nossa brincadeira não durou muito...  Logo me cansei...
        Vendo-me arquejante, Asha aninhou-se entre os travesseiros, e exclamou:
-       Bem, Anette... Vamos continuar com o vosso preparo, vamos? 
-      Vamos!... Vamos, sim...   Antes vou procurar algo pra gente comer...    Estou com baita fome, você não?
 
                                                                                                95
 -     Estou... Mas, não a mesma  fome que tens..                                                                               
       Alteei as sobrancelhas, sem entender bem no que ele dizia... Então,  deixando repercutir na  doce vozinha infantil toda a pureza que carregava dentro de si,  a criança estelar imediatamente explicou:
-   A fome que tenho aqui  na 3ª dimensão (a dimensão física), é sutil... Ela é de amor... A luz que vem dele é o meu alimento...
       Desci, e chamei pelo pessoal.
-     Olaaaaaaaaa!!... Há alguém aí?...  Olaaaaaaaaaaaaa!!.. -  Olhei em volta e  esperei ... - Olaaaaaaaaaaa!!... - Como  obtive resposta nenhuma, percebi não haver ninguém em casa, afora Asha e eu... Por segundos, tentei imaginar onde estariam todos naquele tempo ruim, mas  estava tão feliz por receber  o pequeno radiante alí, que não me preocupei muito com o fato... Esquentei leite com café no forno a lenha,  tomei um delicioso lanche  e voltei correndo para cima...   Ao chegar no meu quarto,  deparei com ele -  de semblante grave - assistindo a TV... Olhei para a tela do aparelho e vi a imagem de aves e animais marinhos cobertos por grossas camadas de petróleo (na  certa, algum navio petroleiro havia atolado e deixado escapar no mar a sua carga pegajosa)... Centenas de bichinhos já haviam  morrido,  e  centenas de outros estavam  morrendo... O olhar petrificado dos pobres, a espera do inevitável fim, era de cortar o coração...
       Algo semelhante a uma lágrima brotou dos meus olhos.
 -     J Jesus!..- balbuciei. - Isto... Isto é...   
 
 -    Terrível! – completou Asha, assustado.  E, num tom  extremamente triste ,ele   junto:
  -    Eh,  além dos desastres ecológicos acidentais, como esse que ora vês,  tantos outros desastres ecológicos ocorrem por aqui... Só que... PROVOCADOS...
-      Provocados?!  Por quem??
-      Por uma série de navios  petroleiros - que ( com frequência) lançam suas cargas  grossas e escuras nas águas salgadas de Shan (Terra),  resultando em idêntico triste fim...- Fez uma ligeira  pausa,  e  continuou:- Simultâneo a isso, observa-se (com igual  frequência), centenas de embarcações baleeiras adentrarem os mares desse  planeta,  para caçarem  as sagradas baleias jubarte (cetáceos cantores/ gigantescos,  altamente evoluídos - originários da estrela  Sirius b,  responsáveis por ancorar a energia pura da Luz Dourada nesse mundo); e as pobrezinhas acuadas e indefesas,  caem nas suas  redes assassinas – Asha meneou a face e suspirou fundo-, e acrescentou:- Como sequencia a tamanha crueldade, todos  os homens desse mundo sofrerão  (num futuro próximo), graves danos no campo eletromagnético planetário.  
       Agitada, fechei as mãos sobre o nariz, e andei pelo quarto - de um lado a outro - feito  barata tonta,  ouvindo tudo o que  o pequeno  tinha a dizer...
-    Mas, apesar disso, a maldade  dessa gente indiferente, prossegue  tmbém desvairada, nas águas doces dos  seus lagos, rios e lençóis subterrâneos - onde as mesmas são  poluídas diariamente com o despejo  nelas de toneladas e toneladas  de resíduos orgânicos (dejetos humanos), lixos industriais,  agrotóxicos, térmicos, etc.
 
                                                                                                            97
-         E, tem  mais-  acrescentou  ele, sem prestar atenção  em mim, de olhos grudados na tela da tv – a ação desumana deles continua em terra firme, onde esses ditos ‘humanos’ assolam  com regularidade - a  superfície do mundo que vivem... Poluem  o ar com gases tóxicos (os responsáveis pelos furos na amada de ozônio ),e com requintes de crueldade, exterminam a fauna e a flora.
       Nesse instante, senti uma fraqueza horrível nas pernas, um calor imenso na nuca e um frio congelante no coração... Algo pesado, como se o seu comentário  perturbador, tivesse atingido o meu âmago. Minha angústia foi crescendo, crescendo...   Até que, explodi:
-     Não compreendo...  Não posso compreender!- repeti  chorosa, sentindo na hora o gosto  amargo do inexplicável -   Por que o povo terrestre  destrói aos poucos, a mãe Terra –  o  amado  planeta que nos abriga?!
-     Ora!  Por causa da ambição desmedida que  sentem  pela matéria... –retrucou Asha, sem se voltar para mim, de olhos sempre grudados na tela da tv.  Fez uma nova pausa, e declarou:
-       Por ambição, acabam aos poucos com a vida do mundo que vivem, sem perceber que aos poucos acabam com a própria  vida...
(continua)

 
 

 
anetteapec
Enviado por anetteapec em 15/09/2018
Alterado em 16/09/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


 
Site do Escritor criado por Recanto das Letras